Tocantins

Justiça arquiva processo sobre mãe acusada de usar filhos para mendigar no TO

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

06/03/2017 11h20 - Atualizado há 1 mês
A Justiça do Tocantins aplicou perdão judicial à mãe que subtraiu dois filhos da Casa Abrigo Raio de Sol, em Palmas, e arquivou a investigação policial que apurava a conduta da mulher. A decisão é do juiz Gilson Coelho Valadares, do Juizado Especial Criminal Central de Palmas, em decisão proferida na sexta-feira (3/3). Conforme o Termo Circunstanciado de Ocorrência, a mãe H. de O.E. pulou o muro do abrigo Raio de Sol e subtraiu dois filhos - uma menina de 2 e um menino de 4 anos-, que haviam sido recolhidos por decisão judicial, e os levou para a casa de seu pai, no bairro Aureny 4, região sul da Capital. Segundo o processo, as crianças foram recolhidas porque a mãe se utilizava delas para poder mendingar, deixava elas sujas, sem vestimentas e desnutridas. Localizada pelo Guarda Metropolitana de Palmas, logo após retirar os filhos do abrigo, a mãe foi levada para a delegacia onde a Polícia Civil instaurou uma investigação para apurar a infração penal de subtração de incapazes - de menor potencialidade ofensiva-, fixada no artigo 249 do Código Penal. Para o juiz, a autora estava acometida por “um transtorno de personalidade” e se encontrava “embalada por grande emoção e relevante sentimento de amor pelos filhos”, conjunto considerado decisivo pelo juiz para que, “movida pelo impulso de mãe”, entrasse no abrigo e retirasse as crianças. O juiz também ponderou que o desrespeito a uma decisão judicial que impedia a mãe de ter a companhia dos filhos deve “ser coibido ao máximo”, mas ressaltou que o julgador também deve verificar as situações particulares de cada caso concreto que decide. Na avaliação do magistrado, a mãe já foi punida pelo destino. “Uma por ser pobre, outra por ser usuária de drogas, estando, inclusive, à beira da interdição por problemas de ordem mental. Golpe maior será alijá-la totalmente dos filhos, impedi-la de lhes propiciar o mínimo de convivência e de carinho. Pactuar com tamanha perversidade não me parece ser a melhor política da Justiça. Se assim o for, restará à suposta infratora, na verdade uma vítima do sistema, apegar-se a Deus, o juiz serenamente justo e bom”, argumentou. Com base no princípio da intervenção mínima, o juiz arquivou o caso. “Por todo o exposto, acolhendo na íntegra o parecer ministerial e, em face primordialmente do princípio da intervenção mínima que deve permear o bem senso do julgador criminal, determino de imediato o arquivamento do feito, inclusive com a natureza de coisa julgada material”, disse.

Comentários (0)

Mais Notícias

De Figueirópolis

Professor do Tocantins vence prêmio nacional com projeto sobre esportes

O objetivo do prêmio é reconhecer o trabalho dos professores que contribuem para a qualidade da educação básica.

Investigação

PF prende médico no Tocantins em operação que investiga corrupção na Saúde

Mandados também estão sendo cumpridos em São Luís (MA), Imperatriz (MA), Parauapebas (PA), Brasília (DF) e Goiânia (GO).

Estado

Bunge Açúcar e Bioenergia abre vagas para jovens engenheiros no Tocantins

As inscrições vão até o dia 9 de novembro.

Nesta quinta, 18

Vagas de emprego para manicure, mecânico, porteiro, zelador e vendedor

As vagas são para todos os níveis de escolaridade e estão distribuídas em nove cidades do Estado.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.