Na justiça

MPTO aciona justiça para suspender contrato emergencial de R$ 2 milhões em Araguaína

Promotor questionou a necessidade de contratar a instituição uma outra vez.

Por Redação 1.476
Comentários (0)

16/04/2020 14h08 - Atualizado há 5 meses
Sede do MPTO em Araguaína

O Ministério Público do Tocantins (MPTO) pediu na justiça, nesta quinta-feira (16), a imediata suspensão do termo de cooperação firmado entre a Prefeitura de Araguaína e o Instituto Saúde e Cidadania (ISAC) para a prestação de atividades e serviços destinados ao cumprimento do plano emergencial de combate à Covid-19.

A contratação do serviço, no valor de R$ 2 milhões, foi realizada no dia 18 de março, porém, o extrato só foi publicado no Diário Oficial do Município no último dia 06. 

Segundo a prefeitura de Araguaína, o contrato prevê a instalação de 15 leitos na UPA da Vila Norte

Ao apurar a regularidade da contratação, o promotor de Justiça Tarso Rizo verificou que a mesma organização já presta serviços para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e para o Hospital Municipal de Araguaína e questionou, na ação, a necessidade de contratá-la novamente para gerenciar o plano emergencial de combate à covid-19.

O membro do Ministério Público também destacou que a contratação aconteceu cinco dias antes de o município ter declarado estado de calamidade pública, no dia 23 de março.

“Isso viola frontalmente exigências do artigo 4º-B, da Lei 13.979/20, especialmente por ter se dado em período onde não havia emergência”, disse o promotor, fazendo referência à permissão para dispensa de licitação conforme as novas hipóteses delineadas pela referida Lei Federal em face da situação de pandemia.

Após a suspensão de forma imediata, o MPTO requereu a anulação do termo de cooperação.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.