Parecer prévio

TCE rejeita prestação de contas de 4 prefeituras do Tocantins referentes a 2017 e 2018

A Corte de Contas apontou uma série de irregularidades em várias áreas.

Por Conteúdo AF Notícias 3.038
Comentários (0)

01/04/2021 11h04 - Atualizado há 8 meses
Contas são referentes a 2017 e 2018

O Tribunal de Contas do Tocantins (TCE-TO) rejeitou a prestação de contas das prefeituras de Porto Alegre, Recursolândia, Taguatinga e Ipueiras, referentes aos exercícios financeiros de 2017 e 2018.

Os pareceres da Primeira Câmara da Corte foram publicados no Boletim Oficial do TCE divulgado nesta quarta-feira, 31 de março.

PORTO ALEGRE DO TOCANTINS

As contas rejeitadas de Porto Alegre são relacionadas a 2018, quando Rennan Nunes Cerqueira era o prefeito.

O motivo da rejeição, segundo o TCE, é que faltou “Comprovar/esclarecer a razão do cancelamento de restos a pagar processado no montante R$ 31.540,59, assim resultado financeiro está subavaliado no mencionado valor, demonstrando inconsistência dos demonstrativos contábeis, e em consequência, o balanço não representa a situação financeira do Ente em 31 de dezembro”.

RECURSOLÂNDIA

A rejeição em Recursolândia refere-se a 2017 na gestão de Nadi Pinheiro de Souza Teixeira.

As irregularidades apontadas pelo TCE são:

- O descumprimento do limite mínimo de 60% dos recursos do FUNDEB com remuneração dos profissionais do magistério, uma vez que o Município aplicou 57,61% dos recursos do FUNDEB na remuneração dos profissionais do magistério da educação básica;

- O descumprimento do limite máximo de 54% de despesa total com pessoal do Poder Executivo em relação à Receita Corrente Líquida (RCL), sendo atingido o equivalente a 57,91%, da RCL, e não foram apresentadas alegações de defesa quanto às medidas de recondução ao limite legal;

- Apuração déficit orçamentário e financeiro global equivalente a 5,20% e 5,23, respectivamente, da receita anual arrecadada, evidenciando o desequilíbrio entre receita e despesa e entre as disponibilidades e as obrigações financeiras assumidas pelo Município acima do limite tolerado pelo TCE;

- Divergência no valor de R$ 1.036,21 (um mil, trinta e seis reais e vinte e um centavo) entre o valor das receitas do FUNDEB creditadas e o valor contabilizado, a menor. A divergência demonstra que deixou de ser registrada a receita e em consequência, a aplicação do respectivo recurso;

- Não realização de audiências públicas para elaboração de leis orçamentárias.

TAGUATINGA

Também referente a 2018, as contas rejeitadas de Taguatinga foram prestadas pelo então prefeito Altamirando Zequinha Gonçalves Taguatinga.

O TCE apontou as seguintes irregularidades:

- Verifica-se saldo de R$ 793.415,75 na conta "Créditos por Danos ao Patrimônio", sem apresentar as medidas de cobrança e/ou regularização por parte da administração;

- Não reconhecimento contábil dos precatórios no montante de R$ 8.686.737,23, conforme saldo existente do Tribunal de Justiça;

- Cancelamento de restos a pagar não processado no montante R$ 486.917,58;

- Não aplicação mínima em despesas de manutenção e desenvolvimento do ensino.

IPUEIRAS

Em Ipueiras, o TCE apontou permanência das seguintes irregularidades:

- O percentual do valor arrecadado em função do valor estimado foi de 58,23%, estando assim abaixo dos 65%;

- Não comprovou se os valores empenhados no elemento de despesa 92 - despesas de exercícios anteriores, no montante de R$ 1.183.315,80, posição em 31/12/2019, foram contabilizados;

- Diferença de R$ 700.523,23, entre o valor total das receitas e o total das despesas do balanço financeiro;

- Não esclareceu a razão do cancelamento de restos a pagar processados no montante de R$ 15.227,36, assim resultado financeiro está subavaliado no mencionado valor, demonstrando inconsistência dos demonstrativos contábeis e, em consequência, o balanço não representa a situação financeiro do ente em 31 de dezembro;

- A alíquota da contribuição patronal atingiu 14,15% (Poder Executivo), estando abaixo dos 20% definido no artigo 22, inciso I, da Lei nº 8.212/1991.

As contas são de 2018 e foram prestas por Caio Augusto Siqueira de Abreu Ribeiro, prefeito na época.

Todos os pareceres podem ser encontrados no Boletim do TCE de nº 2.752

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.