IBGE

Um em cada 3 tocantinenses estava vivendo em situação de pobreza no ano passado

Os auxílios do governo evitaram impactos mais severos da crise.

Por Wendy Almeida 602
Comentários (0)

04/12/2021 08h28 - Atualizado há 1 mês
Mesmo com benefícios, 30,2% da população vivia em situação de pobreza em 2020 no Tocantins

Cerca de 5,8% da população tocantinense vivia em extrema pobreza em 2020, ou seja, com menos de R$ 155 reais por mês, e 30,2% dos tocantinenses vivia em situação de pobreza, com menos de R$ 450 por mês no mesmo ano, segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais, divulgada nesta sexta-feira (3), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Instituto utilizou nessa análise os parâmetros do Banco Mundial de US$ 1,90 para extrema pobreza e US$ 5,50 para a pobreza. “Quando falamos de pobreza, nesse estudo, estamos nos referindo à pobreza monetária, ou seja, por insuficiência de renda, sem considerar outras dimensões, como acesso à educação, saúde e moradia adequada”, explicou Barbara Cobo, analista do IBGE.

A incidência de extrema pobreza em 2020 ficou estável quando comparada a 2012, início da série, pois atingia 5,7% da população tocantinense. Frente a 2019, ano com maior nível no indicador (8,3%), houve queda. Os anos de 2017 e 2014 registraram os menores percentuais (5,4%). Já a proporção de pessoas em situação de pobreza em 2020 caiu em relação a 2012 (39,5%), ano com maior índice; e a 2019 (34,2%). O menor nível foi registrado no ano passado (30,2%).

Pela primeira vez, o IBGE avaliou o impacto dos programas sociais na incidência de pobreza e extrema pobreza no país. Em um cenário hipotético sem o pagamento de benefícios, de 2012 a 2019, a proporção de pessoas nessas condições estaria num patamar de 2 a 4 pontos percentuais mais elevado, mas o comportamento do indicador seria o mesmo.

Entretanto, em 2020, ano afetado pela pandemia do coronavírus, o impacto da concessão de programas sociais se intensifica: a diferença de patamar com e sem os benefícios seria de 8,3 pontos percentuais para extrema pobreza e 9,9 pontos percentuais para pobreza. Além disso, haveria uma inversão no comportamento do indicador em relação ao ano anterior, e a proporção de pessoas em extrema pobreza e pobreza teria aumentado ao invés de diminuído.

Conforme a pesquisadora, isso mostra que, os benefícios emergenciais serviram de “colchão de amortecimento” para os impactos mais severos da crise sobre a população mais vulnerável, incorporando os beneficiários do Bolsa-Família e ampliando o público-alvo elegível ao recebimento. “O valor inicial do Auxílio Emergencial de R$ 600, por exemplo, foi três vezes superior ao valor médio do benefício do Bolsa-Família praticado logo antes da pandemia e, por isso, o impacto no rendimento domiciliar foi muito maior”.

Rendimento

De acordo com a pesquisa, o rendimento médio domiciliar per capita de 2020 no Tocantins foi de R$1.019. Com isso, houve crescimento de 11,7% em relação a 2012 (R$912) e queda de 2,5% em comparação com 2019 (R$1.045).

Em 2020, caso não houvesse programas sociais, esse rendimento teria sido 8,6% menor (R$931), diferença mais intensa do que as observadas em 2012 (3,4% menor) e em 2019 (2,8% menor). Sem os benefícios, o rendimento médio domiciliar per capita de 2020 teria caído 8,7% em relação a 2019 (R$1.016) e aumentado 5,7% frente a 2012 (R$881).

Cenário Nacional

Cerca de 12 milhões de pessoas (5,7%) viviam em extrema pobreza no Brasil, no ano passado, e mais de 50 milhões, ou 1 em cada 4 brasileiros, viviam em situação de pobreza. Na comparação com 2019, a incidência da extrema pobreza caiu nas regiões Norte (de 11,9% para 8,5%), Nordeste (de 14,2% para 10,4%), ficou estável no Sudeste (de 3,3% para 3,6%) e Centro-Oeste (de 2,8% para 2,9%) e aumentou na região Sul (de 2,3% para 2,8%).

Quando se observa o nível geográfico de Unidades da Federação, destaca-se o Maranhão com 14,4% da população em situação de extrema pobreza, seguido por Amazonas (12,5%), Alagoas e Pernambuco (ambos com 11,8%). Tocantins (5,8%) ocupa a 14º posição. Já a nível regional, o estado registrou o segundo menor índice, ficando atrás somente de Rondônia (4,3%).

Mercado de trabalho

A Síntese de Indicadores Sociais também apresenta dados do mercado de trabalho. No primeiro ano da pandemia do coronavírus, o nível de ocupação no Tocantins, que corresponde ao percentual de pessoas em idade para trabalhar que estavam ocupadas, atingiu 49,1%, o menor valor da série histórica. A proporção de trabalhadores pretos ou pardos (77,6%) ocupados foi bem maior que a de brancos (21,3%); e o percentual de homens (61,4%) superou o de mulheres (38,6%).

Cerca de 54,1% da população preta ou parda estava em ocupações informais, no ano passado, ante 51,9% da população branca. Cerca de 56,6% eram homens e 48,6% mulheres. Do total de tocantinenses ocupados, 53,5% trabalhavam informalmente. Em 2019, o percentual era maior (55,2%), bem como em 2012, início da série histórica (55,9%).

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2022 AF Notícias. Todos os direitos reservados.