Novo Acordo (TO)

Vice contratou morte de prefeito por conflitos na divisão de propina, diz delegado

O delegado disse que o primeiro atentando foi encomendado por R$ 4 mil ainda em 2018.

Por Redação 5.713
Comentários (0)

10/01/2019 21h27 - Atualizado há 2 meses
Vice-prefeito de Novo Acordo teria encomendado o crime

O vice-prefeito do município de Novo Acordo (TO), Leto Moura Leitão Filho, mais conhecido como Letim Leitão (PRB), é apontado pela Polícia Civil como mandante da tentativa de homicídio contra o prefeito Elson Lino de Aguiar (MDB), 59 anos. O crime teria sido encomendado por R$ 10 mil, sendo que parte do dinheiro que seria pago após o vice assumir a prefeitura.

O delegado Leandro Risi, da DEIC Palmas, revelou que o crime foi motivado por conflitos na distribuição de propinas. "Em princípio, por uma divisão de recursos advindos de fraudes em licitações na prefeitura de novo acordo", afirmou. O prefeito teria se recusado a repassar R$ 800 mil para o vice.

O prefeito, conhecido como Dotozim, foi baleado com três tiros na tarde desta quarta-feira (9). Um dos disparos acertou a cabeça da vítima. Ele foi encaminhado para o Hospital Geral de Palmas e já saiu da ala de emergência e passará por uma cirurgia de reconstrução facial.

Ainda segundo o delegado Leandro Risi, o vice-prefeito contratou o empresário do ramo de segurança de Palmas, Paulo Henrique Sousa Costa, para agenciar o executor do crime, encargo que ficou com Gustavo Araujo da Silva, de 18 anos, um membro de facção criminosa.  Conforme a polícia, ele planejava matar o prefeito antes do natal, mas não conseguiu.

Nesta quarta, o pistoleiro Gustavo usou uma motocicleta vermelha que já foi apreendida pela polícia. Mas como o prefeito escapou, o vice ofereceu o dobro do dinheiro ao pistoleiro para que concluísse o serviço assim que o prefeito saísse do hospital.  

O delegado disse que o primeiro atentando foi encomendado por R$ 4 mil ainda em 2018, mas não deu certo. No segundo ataque, o pagamento combinado foi de R$ 10 mil. "Quando viram que o prefeito não tinha morrido, ele prometeu então R$ 20 mil para que eles voltassem e terminassem a tarefa após ele sair do hospital", disse o delegado.

O delegado Diogo Fonseca, que também trabalha no caso, explicou o que deu errado na primeira tentativa. "A morte do prefeito foi encomendada antes do natal, inclusive. Foi contratado dois indivíduos de Palmas para executar o prefeito. Porém estes dois indivíduos não conseguiram ir na missão. Eles se deslocaram até Aparecida do Rio Negro, só que lá eles se envolveram em um problema com a Polícia Militar e eles retornaram", explicou.

O vice-prefeito, o empresário que agenciou o crime e o executor estão presos.

Executor do crime Gustavo Araujo da Silva, de 18 anos
Empresário do ramo de segurança de Palmas, Paulo Henrique Sousa Costa

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2019 AF Notícias. Todos os direitos reservados.