Corpo perfeito

Especialista comenta riscos do uso de óleo vegetal e anabolizantes em prol da beleza

Para ter um corpo saudável e bonito é preciso dedicação, tempo e muito treino.

Por Márcia Costa 518
Comentários (0)

10/10/2018 00h33 - Atualizado há 1 semana
Mulher malhando corpo na academia

O desejo pelo corpo perfeito pode resultar em graves consequências à saúde e levar até a morte. Muitas pessoas que querem um bumbum durinho e músculos definidos em pouco tempo acabam recorrendo a procedimentos estéticos de risco e aplicação de produtos inadequados no corpo.  

O AF Notícias mostrou o caso da estudante araguainense Nanashara Nayane dos Anjos Rocha, de 31 anos, que recebeu aplicação de óleo vegetal no bumbum imaginando ser um coquetel de anabolizantes. 

O personal trainer e especialista em emagrecimento, Lucas Canale, faz um alerta sobre a utilização de anabolizantes, 'a famosa bomba', e outros produtos como o óleo vegetal. “Para ter o corpo da moda as pessoas seguem pelo atalho mais fácil com o uso de certas substâncias usadas para aumentar a forma muscular, mas que geram complicações graves, complicações cardiovasculares e até câncer”, afirmou.

Outra questão apontada pelo personal é que os procedimentos estéticos estão cada vez mais populares, por isso pessoas que não são habilitadas estão se aproveitando dos clientes. O profissional faz uma alerta. “As pessoas precisam saber que a dieta da moda não funciona. Tratamento em curto prazo não resolve. E principalmente que personais trainers não indicam substâncias para alunos e nem podem aplicar produtos em clientes ou fazer tratamentos estéticos", disse. 

Entre os produtos mais comuns encontrados clandestinamente está o anabolizante que provoca efeitos irreversíveis. "A voz engrossa e não volta, pois o efeito é andrógeno. Na mulher aumenta o clitóris, os pelos engrossam e causa até câncer. É difícil voltar a saúde. Os efeitos podem não aparecer logo, mas eles vão aparecer", disse Canale.

Para ter um corpo saudável e bonito é preciso dedicação, tempo e muito treino, além do acompanhamento de um profissional. Lucas Canale acredita que a principal mudança a ser feita está na mente.

 “As pessoas creditam seus resultados numa substância ou outra. Numa cirurgia, pré-treino, chá, dieta ou anabolizantes, mas depois de três meses tudo volta como era. As pessoas precisam de foco, disciplina e paciência. Ir para academia, malhar, malhar e ter uma alimentação saudável”, afirmou.

HISTÓRIAS NO TOCANTINS

Não faltam histórias que mostram até onde as pessoas podem chegar para conseguir o ideal estético.

Em agosto deste ano, a servidora pública aposentada, Regina Pereira Melo, 62 anos, morreu depois de fazer uma abdominoplastia para retirada de excesso de pele e gordura abdominal em Araguaína. Na época, o cirurgião explicou as consequências do pós-operatório.

Em maio, a estudante de medicina, Cynthia Nava Raposo, de 21 anos, de Porto Nacional, morreu após sofrer uma parada cardíaca numa academia da cidade. Muitos colegas associaram a morte ao uso de medicamentos emagrecedores que a jovem fazia.

Comentários (0)

Mais Notícias

Comunicação

7 dicas infalíveis para perder o medo de falar em público e a insegurança

A comunicação está presente em todos os processos de nossas vidas desde o momento em que acordamos.

Cuidados com a saúde

Palavra de especialista: 10 dicas importantes para prevenir o câncer de mama

Doença representa quase 30% dos diagnósticos de cânceres por ano.

Prevenção

Campanha Outubro Rosa e a luta das mulheres brasileiras contra o câncer de mama

A batalha contra a doença é diária e quanto mais cedo diagnóstico maiores são as chances de cura.

Eleições 2018

Olyntho faz reuniões em Arapoema, Barra do Ouro e finaliza campanha em Xambioá

O candidato visitou municípios do interior, apresentou propostas e afirmou que irá retribuir o carinho recebido.

Denuncie

Em briga de marido e mulher, é preciso sim meter a colher; veja como denunciar

No Tocantins, há uma rede de proteção para atender vítimas de violência doméstica. Denuncie através do 180 ou 190.

Economia

Quase 2,5 milhões de mulheres já desistiram de buscar empregos, segundo IBGE

Apesar das mudanças culturais, o cenário do mercado de trabalho para as mulheres persiste.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.