Artigo

Alberto Rocha - A única saída para o Brasil vencer a podridão é morrer na cruz

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

22/07/2017 08h54 - Atualizado há 2 meses
Alberto Rocha//artigo Não me causa nenhum espanto ouvir sobre corrupção, violência, desonestidade ou  qualquer outro assunto relacionado à podridão moral, espiritual, econômico ou social que envolva o Brasil. O mundo jaz no maligno, e isso explica tudo. Dia desses, encontrei um pastor muito assustado com tudo o que vem acontecendo no Brasil. E com razão. Depois que ele me expôs seus motivos para tanta preocupação, eu lhe falei: não sou profeta e nem filho de profeta, mas calma, isso é só o princípio das dores; vem mais coisa por aí, pode esperar. O pastor só coçou a cabeça. Após nossa conversa fui para casa refletir sobre o que eu disse, procurando entender um pouco mais sobre esse jogo de xadrez espiritual em que o nosso país está completamente perdido. Não sei se consegui consolar aquele amigo, mas refresquei-lhe a memória ao dizer a ele que, tudo que está acontecendo, é sintomático ao que a palavra de Deus diz. Mas, será se ainda tem jeito para o Brasil? Há saída ou o diabo deu o xeque-mate final? Será se o jogo acabou e todos já podem ir para casa para esperar a sentença final? Acho que não. Ainda há chances reais de virar o jogo. Como?  Morrendo na cruz. Vou explicar resumidamente É assim: dentro de nós tem um bandido, um mentiroso, um corrupto, tudo resultado da natureza caída. E para mudar essa realidade, precisamos morrer. Jesus é o único habilitado a matar um pecador e ressuscitá-lo para uma nova vida. Quando Jesus mata o pecador na cruz, a velha natureza da pessoa também fica pregada na cruz. Quando uma pessoa transformada vive pregada na cruz, não é ela quem vive mais, mas é Cristo quem vive nela e tudo muda. Quando uma pessoa transformada resolve sair da cruz, ela apodrece e ajuda a apodrecer sua família, a vizinhança, seu bairro, sua cidade, seu país... Então, só existe uma saída para o Brasil deixar de ser podre: beber o soro da verdade e morrer na cruz. “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”, disse Jesus. Mas, para que o Brasil conheça a verdade é necessária a volta da pregação genuína do evangelho, pois a pregação verdadeira é o condutor da mensagem de Cristo. A fé vem pelo ouvir a palavra de Cristo. O salvo é o condutor da palavra do Cristo vivo. E o Espírito Santo, através da mensagem de Deus, é quem despertará a fé da pessoa, produz confissão de pecados, traz salvação, que resulta em mudança de comportamento para todo aquele que crer. O Brasil só deixará de ser podre quando morrer completamente aos pés da cruz de Cristo. Mas, para isso, o crente precisa retomar a consciência de que é luz e sal da terra. Caso contrário, continuaremos a bater palmas para um Brasil que se afunda cada vez mais na podridão. Alberto Rocha é jornalista, teólogo, psicanalista e pós-graduado em educação.

Comentários (0)

Mais Notícias

Esporte

Sargento Caitano representa o Tocantins em Campeonato Internacional de Jiu-Jitsu

Sargento Caitano, como é conhecido no meio esportivo, vai competir na categoria meio pesado até 85 kg.

Luto

Morre aos 95 anos Stan Lee, criador do Homem-Aranha, Hulk, Homem de Ferro e Thor

Ele foi um dos nomes mais importantes dos quadrinhos americanos ao criar super-heróis.

Falha internacional

Facebook fica fora do ar em vários países e prejudica milhares de usuários

O serviço ficou fora do ar por cerca de uma hora durante a tarde desta segunda-feira (12).

Superação

Jovem viaja 160 km por dia de carona para engraxar sapatos e ajudar a família

O engraxate é bastante conhecido pelos empresários no Setor Entroncamento.

Circo

Hoje tem marmelada? Tem sim, sinhô! Taquari recebe espetáculo neste domingo

O espetáculo tem o objetivo de levar a arte circense a espaços de pouca acessibilidade cultural.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.