Luto

Conheça 82 fatos sobre a vida do Rei Pelé, o maior jogador de futebol de todos os tempos

Eleito o atleta do século, Pelé venceu três Copas do Mundo e marcou 1.283 gols.

Por Redação 746
Comentários (0)

29/12/2022 16h32 - Atualizado há 1 ano
Pelé teve uma vida marcada por grandes feitos e polêmicas

O futebol está de luto. Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, faleceu nesta quinta-feira (29) no Hospital Israelita Albert Einstein. Aos 82 anos, o maior jogador de futebol da história do esporte lutava contra um tumor de cólon direito e tratava uma infecção respiratória, estando internado desde 29 de novembro.

No início de 2022, o atleta do século foi diagnosticado com câncer no cólon e fazia quimioterapia para tratar da doença. Neste ano, uma série de exames apontou para a metástase – iniciada no intestino, a comorbidade se espalhou para o fígado e o pulmão.

Parte central na história do esporte mais popular do mundo, o rei venceu três Copas do Mundo e é recordista de gols marcados no esporte – foram 1.283 em 1.366 partidas defendendo Brasil, Santos e New York Cosmos.

O adeus do mundo a Pelé foi o que se pode esperar de um atleta de trajetória marcada de conquistas, recordes e histórias marcantes, – inclusive ter parado uma guerra. Ele deixa o Brasil e o mundo órfãos de seu talento inigualável. Para relembrar a vida do maior jogador a chutar uma bola de futebol, confira 82 fatos sobre a vida do rei:

1. Gênio batizado em homenagem a outro gênio

Edson Arantes do Nascimento tem este nome em homenagem a um dos maiores inventores da história: o estadunidense Thomas Edison, de quem seu pai era fã. No entanto, o futuro rei do futebol era chamado de Dico na família.

2. A origem do apelido Pelé

Nos tempos de colégio, Edson ganhou o apelido de Pelé por causa de seu grande ídolo: o goleiro Bilé, do Vasco da Gama de São Lourenço. Ele pronunciava o nome do arqueiro de maneira errada e, por isso, o apelido pegou – a contragosto do futuro rei.

3. Origem na pobreza

Pelé foi criado em Bauru, em São Paulo. Para ajudar a família na pobreza, trabalhava em lojas de chá. Enquanto isso, aprendia a jogar futebol com o pai, sem ter bola adequada e outros equipamentos.

4. O maior artilheiro da história do futebol

Considerado por muitos o maior jogador da história do esporte, Pelé é quem mais marcou gols: 1.281 na carreira. Seu milésimo tento foi feito contra o Vasco da Gama, no Maracanã. Foi um pênalti contra o Vasco da Gama, no dia 19 de novembro de 1969.

5. Início no Sete de Setembro

Pelé começou sua carreira no Sete de Setembro, equipe batizada em homenagem à rua na qual o rei morava. O craque não durou muito tempo no time, indo para o Ameriquinha.

6. Aos 13 anos, deslancha no Ameriquinha

Aos 13 anos Pelé foi campeão pela primeira vez no Ameriquinha: ergueu a taça do Torneio Início. O Barquinho, como era apelidado, foi sensação no futebol infanto-juvenil – onde o rei jogou com o parceiro Aniel Chaves.

7. Em Bauru, futebol arte que atraiu olhares

Em Bauru, Pelé atraía olhares com o futebol arte do time. Após marcar sete gols e uma vitória por 21 a 0, o craque atraía olheiros e espectadores – que iam aos jogos do Barquinho só para vê-lo. 

8. Campeão infantojuvenil sobre o São Paulo

Jogando a segunda divisão do Campeonato Paulista, o Barquinho de Pelé deu show contra um dos futuros rivais do craque: o São Paulo. Com cinco gols sobre o tricolor, o craque comandou a goleada por 12 a 1.

9. Fim do Baquinho e curta trajetória no futebol de salão

Em 1955, o Baquinho acabou e, por isso, os garotos decidiram jogar futebol de salão. O nome da equipe era Radium em homenagem ao Radium Futebol Clube, de Mococa. Com atuações de destaque, a liga até definiu que o rei só poderia jogar no gol ou na zaga – dada a superioridade técnica sobre os adversários.

10. Idas frustradas ao Bangu e ao Noroeste

Em 1956, o Bangu Atlético Clube até tentou contratar Pelé. No entanto, a proposta foi rechaçada por Celeste, mãe do craque, por não querer que ele fosse a uma cidade grande. O Esporte Clube Noroeste também tentou contratá-lo, sem sucesso.

11. Chegada ao Santos

Treinador de Pelé, Waldemar de Brito o levou ao clube que definiu sua carreira: o Santos Futebol Clube. Apesar dos receios iniciais de Celeste, que era contra o filho se tornar atleta profissional, ela foi convencida e Pelé foi para o time da baixada santista.

12. “Este será o maior jogador do mundo”

Em 1956, Brito apresentou Pelé ao Santos como o futuro maior jogador do mundo. Após impressionar o treinador Luís Alonso Peres, o Lula, o craque assinou seu primeiro contrato profissional em junho. Seu salário de seis mil cruzeiros era enviado para ajudar a família.

13. Estreia no time profissional aos 15 anos – e com gol

Na equipe amadora do Santos, Pelé marcou 13 gols em 13 partidas disputadas. O desempenho o fez estrear no time principal aos 15 anos, na goleada de 7 a 1 contra o Corinthians de Santo André – marcando seu primeiro gol como profissional.

14. “Compre imóveis do goleiro que levou o primeiro gol de Pelé”

Goleiro do Corinthians de Santo André, Zaluar se aposentou e começou a trabalhar como corretor de imóveis. Em seu cartão de visitas, o ex-arqueiro se identificava como “o homem que levou o primeiro gol de Pelé”.

15. Titular absoluto? Pelé era reserva no começo da carreira

Pode parecer estranho dizer isso após sabermos da trajetória do rei, mas Pelé começou 1957 como reserva de Emmanuele Del Vecchio por ser considerado muito jovem. O Brasil de Pelotas e o Grêmio até tentaram se aproveitar da situação para contratarem o craque, sem sucesso.

16. Destaque e artilharia no Torneio Rio-São Paulo

Reserva em metade das partidas disputadas, Pelé começou a se destacar no Torneio Rio-São Paulo de 1957. Com 18 gols em 30 jogos, foi artilheiro da competição ao lado de Dorval.

17. Santista? Não, Pelé sempre foi vascaíno

Todo amante de futebol tem seu time do coração. No caso de Pelé, seu coração pertencia ao Vasco da Gama. Em diversas entrevistas, o rei declarou ser vascaíno – e, em 2021, ganhou o título de sócio honorário do cruzmaltino.

18. A promessa ao pai – que foi cumprida

O Maracanazo, dia em que o Brasil foi derrotado pelo Uruguai em casa e perdeu a chance de vencer sua primeira Copa do Mundo, foi uma das datas mais traumáticas do futebol nacional. Aos nove anos, Pelé prometeu ao pai que conquistaria a competição – e não é que honrou a promessa com três títulos?

19. Primeira convocação à Seleção Brasileira

Com atuações destacadas no Torneio Internacional do Morumbi, Pelé fez cinco gols em três partidas. O desempenho chamou a atenção de Sylvio Pirillo, técnico da Seleção Brasileira, e o fizeram receber sua primeira convocação.

20. Estreia na Seleção contra a Argentina – e com gol

Pelé estreou na Seleção Brasileira na Copa Roca, torneio de dois jogos contra a Argentina. Com a camisa 13, ele substituiu Del Vecchio e marcou seu primeiro gol com a amarelinha – foi o jogador mais jovem a fazê-lo, com 16 anos e nove meses.

21. Antes de receber a coroa, Pelé ganha a camisa 10

Com partidas destacadas e a venda Del Vecchio ao Verona, da Itália, Pelé ganhou a camisa 10 e a titularidade. Se sagrou artilheiro do Campeonato Paulista de 1957, com 17 gols – título até hoje não batido. No ano, dominou a artilharia do Santos, com 57 tentos.

22. A conquista da majestade: Pelé se torna o Rei

Apesar da sétima colocação no Torneio Rio-São Paulo de 1958, Pelé foi o artilheiro do Santos. Após assistir à atuação destacada do craque com quatro gols na vitória por 5 a 3 sobre o América, Nelson Rodrigues escreveu a crônica “A realeza de Pelé”, chamando o atacante de rei pela primeira vez.

23. Em 1958, o primeiro título no Santos

O primeiro título de Pelé com o Santos foi o Campeonato Paulista de 1958, onde foi artilheiro com 58 gols – recorde nunca batido. No total, ele balançou as redes 80 vezes no ano, contabilizando partidas pelo Santos, Seleção Brasileira e time do exército.

24. Avaliação psicológica quase tirou Pelé de sua primeira Copa

Convocado para defender a Seleção na Copa do Mundo de 1958, Pelé quase não foi à Suécia. Após análises psicológicas, o craque foi classificado como “obviamente infantil e imaturo” – e, felizmente, Vicente Feola não ouviu o laudo e levou o craque.

25. Reserva nos primeiros jogos da Copa

Com Pelé na reserva nas duas primeiras partidas, o Brasil precisava vencer a última partida. Precisando do resultado, os líderes do elenco se reuniram com o técnico Feola e o convenceram a escalar Pelé e Garrincha – apesar desta história ser desmentida por algumas fontes, que justificam a reserva com o fato dele estar lesionado.

26. Protagonismo na primeira Copa conquistada pelo Brasil

Na época, Pelé foi o jogador mais jovem a jogar uma Copa do Mundo, a primeira vencida pelo Brasil. Protagonista ao lado de Garrincha, o camisa 10 teve atuações destacadas e marcou o gol mais bonito do campeonato, contra o País de Gales – dominou a bola, aplicou o lençol no defensor e arrematou sem deixar a bola cair.

27. Revelação da Copa de 1958

Jogador mais jovem a disputar uma final de Copa do Mundo, com 17 anos e 249 dias, Pelé foi aplaudido até pelos jogadores da adversária Suécia. Na seleção do campeonato, foi eleito o segundo melhor jogador da competição atrás de Didi. Mesmo assim, foi aclamado com a maior revelação do torneio.

28. Durante 15 anos, Pelé foi recordista de gols em uma temporada

Em 1958, Pelé marcou 66 gols em uma temporada só. Durante 15 anos, ele foi recordista – até o alemão Gerd Müller superá-lo em 1973, balançando as redes 67 vezes. Hoje, o argentino Lionel Messi detém o recorde: em 2011/12, o craque anotou 72 tentos pelo Barcelona.

29. Futebol vistoso e excursão na América

Visto como o melhor time do ano, o Santos passou a excursionar no exterior. Em 1959, o alvinegro visitou sete países no continente. Pelé marcou 15 gols em 14 partidas. Em seguida, voltou ao país para vencer o Torneio Rio-São Paulo com vitória de 3 a 0 sobre o Vasco da Gama.

30. Excursão na Europa e interesse de clubes europeus

Colhendo os frutos do futebol vistoso, o Santos excursionou na Europa – foram 22 jogos em 44 dias. Como se pode imaginar, Pelé foi destaque contra adversários como  Inter de Milão, Barcelona e Real Madrid, ele marcou seu 200º contra o Hamburgo. Seu desempenho despertou interesse de clubes europeus, recusado pelo Santos.

31. Copa América? Pelé nunca venceu!

Em 1959, Pelé disputou a única Copa América de sua carreira – na época, chamada Campeonato Sul-Americano de Futebol. Vice-campeão da competição e artilheiro com oito gols, o craque não conseguiu adicionar o troféu à sua galeria.

32. Campeão sulamericano defendendo o exército

Convocado para servir o exército, na Praia Grande, Pelé acreditava que sua convocação tenha se dado para dar atenção às Forças Armadas. Campeão sul-americano com 14 gols em dez partidas, a instituição o homenageou em 2010: criou o Espaço Pelé, no Museu do Desporto do Exército.

33. Golaço que fez o adversário homenageá-lo com estátua

Muitas vezes, o adversário se rende à atuação de um jogador. Foi o caso da Juventus da Mooca, que aplaudiu o gol de Pelé na goleada do Santos por 4 a 0 e até fizeram uma estátua em homenagem ao craque – inclusive, o próprio atacante elegeu este como seu tento favorito.

34. Gol de placa? O Pelé que inventou!

Você provavelmente já ouviu o termo gol de placa – surgido por causa de Pelé! Em 1961, o craque driblou vários adversários do Fluminense desde o meio de campo e fez um gol tão plástico que, segundo o jornalista Joelmir Beting, merecia ganhar uma placa – termo usado até hoje para jogadas semelhantes.

35. Coadjuvante na Copa do Mundo de 1962

Alardeado como o melhor jogador do planeta em 1962, Pelé teve uma Copa do Mundo para esquecer. Na segunda partida, o craque se lesionou e perdeu o resto da competição. Garrincha conduziu o Brasil ao bicampeonato, vencido em cima da Tchecoslováquia.

36. Pelé trouxe as primeiras Libertadores do Brasil

Dividindo atenções entre excursões e competições nacionais, o Santos de Pelé foi o primeiro clube brasileiro a conquistar a Libertadores da América. Em 1962, o alvinegro venceu o Peñarol na final. No ano seguinte, a vitória veio sobre o Boca Juniors – o Brasil só voltou a conquistar a competição em 1976, com o título do Cruzeiro.

37. Atacante é expulso? Pelé levou 13 cartões vermelhos

Expulsão é coisa de jogador defensivo? Nem sempre! Pelé recebeu um total de 13 cartões vermelhos na carreira, todos com a camisa do Santo – contra adversários como Corinthians, Vasco e Grêmio.

38. Pelé foi o único jogador substituído a voltar ao jogo

Quem disse que jogador substituído não volta ao jogo? Em 1962, o Santos enfrentava o Alianza Lima e Pelé foi substituído no intervalo. Revoltada, a torcida exigiu a volta do craque ao time, ameaçando até invadir o campo – e foi atendida. Com a volta do rei, o alvinegro venceu por 5 a 1.

39. Expulso? Pelé precisou voltar à partida depois de receber o vermelho

O exemplo acima não foi a última vez que Pelé precisou voltar ao campo depois de sair da partida. Expulso em partida da Seleção Olímpica, a torcida local se indignou com o cartão vermelho e exigiu a volta do rei ao campo e remoção do juiz – ambos os pedidos foram atendidos.

40. O criador da paradinha nos pênaltis

Num amistoso contra o River Plate, em 1962, Pelé foi o primeiro jogador a fazer a famosa paradinha nas cobranças de pênalti. Na ocasião, o árbitro Aurélio Bossolino anulou a jogada e a Fifa condenou a atitude. No entanto, a instituição só proibiu o artifício em 2010.

41. Atacante? Pelé já foi goleiro!

Após atuação destacada na goleada de 4 a 3 sobre o Grêmio, pelo Taça Brasil de 1964, Pelé precisou ir jogar no gol após expulsão de Gilmar. Aos 41 do segundo tempo, o rei fez duas defesas importantes que ajudaram o Santos a chegar à final. Ele precisou ser goleiro em outras duas ocasiões: contra o Comercial de Ribeirão Preto e o Botafogo da Paraíba.

42. Maior vítima na mesma partida: Botafogo de Ribeirão Preto sofreu 8 gols do rei

Encantando o mundo, o Santos de Pelé aplicava goleadas por onde passava. E, é claro, com muitos gols de Pelé. Contra o Botafogo de Ribeirão preto, em 1964, o rei balaçou as redes 8 vezes na vitória por 11 a 0.

43. Conhece a Praça Pelé? Visite Três Corações

Nascido em Três Corações (MG), o rei foi homenageado em 1966 pela prefeitura. A rua na qual Pelé nasceu ganhou seu nome após as conquistas do craque no esporte mais popular do mundo, ganhando até estátua.

44. Pelé já parou uma guerra

Em 1969, o Santos de Pelé fazia uma excursão na África e conseguiu até parar uma guerra civil na Nigéria. Graças à chegada do alvinegro no país, ambos os lados negociaram um cessar-fogo para assistirem à partida, que seria realizada no estádio Benin City.

45. Em 1966, Pelé oficializa a primeira rainha

Aos 25 anos, Pelé casou pela primeira vez com Rosemeri dos Reis Cholbi. Casados durante 12 anos, eles tiveram três filhos: Kelly Cristina, Jennifer e Edinho.

46. Monogamia? Rei teve vida amorosa movimentada

Se engana quem acredita que Rosemeri foi o único amor de Pelé. Antes de se casar, o rei teve um caso com a empregada doméstica Anísia Machado, com quem teve uma filha – descoberta somente em 1991. Não foi uma exceção, com o jogador descobrindo ter outra filha fora do casamento com a jornalista Lenita Kurtz, assumida prontamente por ele.

47. Olimpíada? Pelé nunca conquistou

Outro título que faltou na galeria de troféus de Pelé foi o ouro olímpico. O rei nunca disputou a competição, pois em 1960 já tinha contrato profissional com o Santos e não foi convocado. O Brasil só venceu a competição em 2016, liderado por Neymar.

48. Desistência da Seleção após a Copa de 1966

Pelé foi à Inglaterra em busca do tricampeonato, mas não deixou o Reino Unido satisfeito. Após receber muitas faltas, o craque se revoltou com a arbitragem e decidiu nunca mais jogar uma Copa do Mundo – naquele ano, o Brasil foi eliminado na fase de grupos.

49. Depois de 9 anos tentando, o encontro com John Lennon

Hoje em dia, jogadores de futebol costumam amar sertanejo, pagode e louvores. No entanto, Pelé sempre teve um gosto diferente: amava os Beatles. Na Copa da Inglaterra, até tentou encontrar o vocalista John Lennon, sem sucesso. O encontro só aconteceu nove anos depois, quando o rei defendia o New York Cosmos.

50. Café de Pelé é vendido em mais de 50 países

Principal nome do esporte mundial, Pelé usou sua marca para ganhar dinheiro. Em 1970, a Companhia Cacique de Café Solúvel procurou o atleta para criar o Café Pelé. A iniciativa foi bem sucedida e o produto é vendido até hoje em mais de 50 países.

51. Volta à Seleção e conquista do tricampeonato

Felizmente para o Brasil, a aposentadoria de Pelé da Seleção não durou. Convocado à Copa de 1970, o camisa 10 foi decisivo para solidificar o Brasil como maior campeão da competição – eleito o melhor jogador do torneio.

52. O adversário que implorou pela camisa de Pelé

Pelé sempre impressionou os adversários e, na final da Copa de 1970, não foi diferente. Após a vitória sobre a Itália por 4 a 1, o zagueiro adversário Roberto Rosato pediu a camisa do rei e ganhou. Em 2002, o artefato foi leiloado pelo valor de £ 157,7 mil.

53. Representante do governo em 1970

Depois do tricampeonato, o governo brasileiro enviou Pelé para representar o país na inauguração da Plaza Brasil, em Guadalajara. Segundo ele, foi uma das experiências mais marcantes de sua vida.

54. Investigação pelo governo militar

Por ser o maior jogador da história, Pelé era motivo de preocupação no regime militar. Documentos divulgados após a redemocratização do país apontam que o governo investigou o craque entre 1972 e 1985, temendo que ele entrasse na política – principalmente após o rei se aproximar do Partido Democrático Trabalhista (PDT) de Leonel Brizola.

55. Apoio ao movimento Diretas Já

Em 1984, o movimento Diretas Já mobilizou o brasileiro em torno da busca pela redemocratização. Entre as celebridades que apoiaram o movimento, Pelé foi uma das principais – ele apareceu na televisão com uma réplica da Taça Jules Rimet, pedindo eleições diretas. Além disso, o craque vestiu uma camisa da Seleção com os dizeres “Diretas Já!”, que foi capa da Revista Placar.

56. Despedida da Seleção Brasileira

Aos 31 anos, Pelé decidiu abandonar a Seleção Brasileira. No Maracanã, o rei passou em branco no empate por 2 a 2 contra a Iugoslávia. Após deixar o campo, o craque fez uma volta olímpica, tirou a camisa e chorou.

57. Maior artilheiro da Seleção Brasileira

Nenhum jogador marcou mais gols pela Seleção Brasileira do que Pelé. Foram 77 gols em 92 partidas oficiais, com o rei sendo o maior artilheiro da amarelinha. O recorde, no entanto, pode ser batido por Neymar, que balançou as redes 75 vezes.

58. Despedida do Santos, sem gol na partida derradeira

Após 18 anos com a camisa do Santos, Pelé decidiu se despedir do alvinegro. No dia 2 de outubro de 1974, o rei não marcou nenhum gol na partida contra a Ponte Preta – sendo substituído aos 21 do primeiro tempo, em prantos. No total, foram 1.091 gols em 1.116 jogos.

59. Ida ao New York Cosmos para estimular o ‘soccer’

Depois de 19 anos vestindo a camisa do Santos, Pelé decidiu finalmente jogar no exterior. Fazendo apenas partidas festivas pelo clube do litoral, o rei aceitou proposta do New York Cosmos e foi jogar nos Estados Unidos – se tornando o atleta mais bem pago do mundo. Até o presidente estadunidense Gerald Ford participou das negociações, com objetivo de estimular o desenvolvimento do ‘soccer’ no país.

60. Com título, Pelé aumentou média de público nos Estados Unidos

Apesar de não ser o craque de outrora, Pelé aumentou a média de público das partidas de futebol nos Estados Unidos – antes dele, eram 10 mil pessoas por partida, número que cresceu para 34 mil. Foram 37 gols e 39 assistências, com o título do campeonato estadunidense na sua última temporada Cosmos.

61. Aposentadoria oficial com amistoso entre Santos e Cosmos

Em 1977, Pelé decidiu encerrar a carreira de vez. Santos e Cosmos se enfrentaram em amistoso em Nova Iorque – com transmissão no mundo inteiro. O rei fez um discurso de despedida, inspirando Caetano Veloso a compor a música Love Love Love.

62. Inauguração do Estádio Rei Pelé

Ídolo do Santos, Pelé tem um estádio batizado em sua homenagem – longe da baixada santista. Empolgado com o tricampeonato da Copa, o governo de Alagoas inaugurou o estádio Rei Pelé, em Maceió, com amistoso entre Santos e a Seleção Alagoana. Hoje, a dupla CRB e CSA joga no local.

63. Formação acadêmica em educação física

Alguns jogadores decidem estudar durante a carreira e Pelé não foi diferente. Em 1970, o rei se formou em educação física na Universidade Metropolitana de Santos (UNIMES). Em 2018, ele recebeu o título de Doutor Honoris Causa.

64. Futebol? Pelé também tentou carreira musical

Depois de sua aposentadoria dos campos, Pelé investiu na música. O craque gravou até um disco com Elis Regina, mas não teve tanto sucesso. Sua última música foi gravada em 2010, na qual ele e o sertanejo Edson Cadorini gravaram a música Sou Brasileiro – homenagem à Copa daquele ano.

65. A trajetória de Pelé como ator

Como toda lenda do esporte, Pelé teve uma série de documentários sobre sua carreira. No entanto, o próprio jogador tentou a sorte como ator e participou de mais de dez filmes. Entre eles, vale destacar Fuga Para a Vitória (1981), onde o craque contracenou com Sylvester Stallone e Michael Caine numa trama onde prisioneiros enfrentam soldados nazistas numa partida de futebol durante a Segunda Guerra Mundial.

66. Quando o rei e rainha decidiram namorar

Depois de se divorciar de Rosemeri, Pelé teve diversos relacionamentos. Entre os mais famosos está o namoro com Xuxa Meneghel, a rainha dos baixinhos. O casal ficou junto durante cinco anos.

67. Pelé, o atleta do século

Como se pode imaginar, o maior jogador de todos os tempos foi eleito o atleta do século. A votação, feita pelo jornal francês L’Equipe em 1980, colocou Pelé à frente de Jesse Owen e Eddy Merchx. Para celebrar o prêmio, foi organizado um amistoso entre Brasil e França no ano seguinte, vencido pela amarelinha por 3 a 1.

68. Pelezinho, o personagem das histórias em quadrinhos

Em 1976, o quadrinista Maurício de Souza homenageou Pelé com a criação do personagem Pelezinho. O objetivo era contar a infância do craque e, apesar de objeções iniciais do rei, o gibi foi aprovado. Publicada entre 1977 e 1986 e retomado em 2012, a revista até virou curta-metragem em 2014.

69. Pelé, o embaixador da ONU

De todas as honrarias recebidas por Pelé, uma das maiores foi a nomeação de embaixador para Ecologia e Meio Ambiente pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1992. No ano seguinte, a entidade o escolheu como embaixador da Boa Vontade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

70. A trajetória do rei no mundo dos games

A indústria dos games sempre produz jogos de futebol e é óbvio que Pelé entraria nesta tendência. Foram quatro jogos com o nome do rei: Pelé’s Soccer, para Atari 2600, Pelé! Pelé II: World Tournament Soccer, para Mega Drive, e Pelé: Soccer Legend, para iOS e Android. Outras participações notáveis do craque nos videogames foram em Academy of Champions: Soccer, Rocket League e na popular série FIFA.

71. Rivais? Pelé e Maradona eram amigos

Dependendo do lugar, o debate sobre quem é o maior jogador da história é polarizado entre dois nomes: Pelé e Diego Maradona. Apesar de alguns imaginarem que ambos fossem desafetos, a realidade é outra: havia muita admiração e respeito entre ambos. O rei até participou do programa de auditório do argentino em 2005, de maneira amistosa

72. Quem Pelé considera o maior jogador da história?

Existe um debate acalorado sobre quem é o maior jogador da história: Maradona ou Pelé? Segundo o rei do futebol, no entanto, a resposta é outra: o irlandês George Best. Lenda do Manchester United e apelidado de o “quinto Beatle”, o atacante teve problemas com álcool e indisciplina que prejudicaram sua carreira.

Em 2005, Best recebeu uma cara de Pelé em seu leito de morte. E, com as palavras do rei, é uma correspondência “do segundo maior jogador de todos os tempos”.

73. Poeta calado? Romário e Pelé não se davam bem

Nem todos os jogadores históricos da Seleção possuem boa relação. Depois de criticar Romário e dizer que o craque do Tetra deveria se aposentar, em 2005, o rei foi duramente criticado. “O Pelé calado é um poeta”, disse o atacante do Vasco.

74. Edinho, o goleiro filho do rei

De todos os filhos de Pelé, somente um seguiu carreira no futebol: Edinho, que foi goleiro do Santos e estava no elenco vice-campeão brasileiro de 1995. Com carreira de poucas glórias, ele foi preso cinco vezes com acusações de tráfico de drogas e lavagem de dineiro.

75. Pelé, o ministro do esporte

Durante o governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso, Pelé entrou na política: foi o ministro do esporte na primeira gestão do político do PSDB. Seu principal feito foi a criação da Lei Pelé, que acabou com o passe dos jogadores e permitiu que os clubes se tornassem empresas.

76. O título de cavaleiro concedido pelo governo britânico

Poucas pessoas de fora do Reino Unido recebem a honraria de serem sagrados cavaleiros pelo governo britânico. Pelé está neste seleto grupo, recebendo o título das mãos da própria Rainha Elizabeth II.

77. Convidado de honra no aniversário do clube mais antigo do mundo

O Sheffield F.C. é o clube de futebol mais antigo do mundo e comemorou 150 anos em 2007. Para comemorar a data, a equipe fez um amistoso contra a Inter de Milão no Bramall Lane e convidou Pelé para participar da cerimônia – ele inaugurou uma exposição sobre as regras originais do esporte.

78. Carreira como comentarista esportivo

Entre os principais trabalhos de ex-jogadores está o cargo de comentarista esportivo – e Pelé seguiu o mesmo caminho. Ele comentou as Copas de 1986, 1990 e 1994 – na qual, após a confirmação do Tetra, ele abraçou Galvão Bueno, em uma das imagens mais icônicas do futebol brasileiro.

79. Embaixador da Copa Libertadores da América

Pelé assinou contrato com a Conmebol e se tornou o garoto propaganda da Copa Libertadores da América em 2008. Presente nas finais seguintes, o rei entregou a taça para dois clubes brasileiros: o Internacional, em 2010, e o Santos, em 2011.

80. Embaixador da Copa do Mundo de 2014

Apesar de terem recebido a Copa do Mundo de 2014, muitos brasileiros lembram com tristeza da eliminação naquele ano – a goleada para a Alemanha por 7 a 1, na semifinal, foi o maior trauma do futebol nacional. Poucos se lembram que a então presidenta Dilma Rousseff convidou Pelé para ser embaixador do torneio, indo às principais partidas.

81. A estátua de Pelé no museu da Seleção Brasileira

Para celebrar o aniversário de 50 anos do tricampeonato da Copa do Mundo, a CBF homenageou Pelé com uma estátua no Museu da Seleção Brasileira. Com problemas de saúde, o rei não foi à cerimônia.

82. Final de vida no Guarujá

Apesar de ter jogado no Santos, Pelé não mora na cidade do time que mais defendeu – mas fica na cidade vizinha. Com raras aparições públicas, o rei vive com a família no Guarujá.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.