Temporada

Saiba como evitar ataques de arraias e piranhas nas praias do Tocantins; veterinária dá dicas

Caminhar na água arrastando os pés, respeitar a delimitação de área para banho e não jogar alimentos nos rios.

Por Mara Santos 980
Comentários (0)

19/07/2019 09h59 - Atualizado há 4 meses
Saiba o que fazer em caso de acidentes com esses animais

Durante a temporada de verão nas praias dos rios Araguaia e Tocantins, quando o calor aumenta e mais pessoas procuram se refrescar às margens dos rios, podem ocorrer acidentes envolvendo animais aquáticos, como as raias e piranhas. A veterinária Luciana Gomes, do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Araguaína, dá dicas para evitar os ataques e também do que pode ser feito caso eles ocorram.

Raias

As raias, popularmente conhecidas como arraias, são animais dóceis, que vivem tanto nos rios como no mar, e só atacam quando se sentem ameaçadas. Durante o verão, quando os rios baixam, eles procuram as águas rasas para ficar. Locais calmos e com lama são os preferidos desses animais.

“Ao entrar na água, o ideal é caminhar arrastando os pés. Assim, o animal se espanta e tem tempo de fugir”, orientou a veterinária. A maior parte dos ataques, que na verdade são a autodefesa do animal, ocorre na região dos pés, quando a pessoa pisa na raia sem querer e ela crava sua cauda, que tem um ferrão serrilhado, em seus pés ou pernas, liberando veneno.

“O veneno da raia é termolábil, ou seja, a dor que ele provoca é amenizada com água morna. Por isso há uma crença popular de fazer xixi sobre o ferimento”, explicou Luciana.

A dor provocada pela ferroada da raia é intensa, mas diminui gradativamente no período de 6 a 48 horas. Entre os sintomas do envenenamento por raia estão fraqueza, enjoos, vômitos, diarreia, sudorese, espasmos generalizados e dificuldade respiratória.

O ideal é, havendo ataque, que a pessoa ferida procure atendimento médico na unidade de saúde mais próxima. Outras medidas podem ser adotadas até o atendimento, como estancar o sangramento com pressão direta. No pronto-socorro, a equipe médica retira os possíveis fragmentos do espinho. São administrados antibióticos para evitar infecções e pode ser necessária uma intervenção cirúrgica para fechar a ferida, que pode demorar de 30 a 60 dias para cicatrizar.

Piranhas

Os ataques de piranhas estão mais diretamente ligados à temporada de verão. Enquanto as raias buscam sossego, elas são atraídas pelo aumento da oferta de alimentos dentro d’água.

“Geralmente, as praias têm delimitação da área de banho. Então, a melhor prevenção é não ultrapassar esse limite e evitar jogar restos de comida na água”, pontuou Luciana.

A piranha ataca individualmente ou em cardume. Quem for mordido precisa sair imediatamente da água, para que o sangue não atraia outros peixes. Depois disso, o procedimento adequado é lavar o ferimento apenas com água, estancar o sangue comprimindo o ferimento com gaze, toalha ou algum pano limpo e procurar atendimento na unidade de saúde mais próxima. 

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2019 AF Notícias. Todos os direitos reservados.