Cultura

União das Crespas e Cacheadas de Araguaína cria rede de valorização da cultura afro

Uma das integrantes do grupo disse que já sofreu racismo no ambiente de trabalho.

Por Márcia Costa 813
Comentários (0)

26/11/2018 11h14 - Atualizado há 2 semanas

Um grupo de mulheres está levando conhecimento e conscientização sobre a cultura e religião afro-brasileira em Araguaína. O objetivo inicial era apenas debater sobre os cuidados com os tipos de cabelos afro e cacheado e também sobre transição capilar, que é quando a pessoa deixa de fazer o uso de química no cabelo (progressiva, relaxamento, alisamento, e volta a usar o cabelo natural).

Mas agora, o grupo União das Crespas e Cacheadas de Araguaína tornou-se uma rede de apoio para homens e mulheres que estão passando pela transição capilar, dando dicas e encorajamento para construção de uma consciência racial.

Uma das principais missões do grupo é combater o racismo, a desigualdade e injúria racial em prol da valorização, empoderamento, representatividade e fortalecimento da identidade negra.

Uma das integrantes do grupo disse que já sofreu racismo no ambiente de trabalho por ser morena e ter o cabelo cacheado.

"Uma mulher disse que meu lugar era na senzala e que devia ficar calada se eu quisesse continuar trabalhando. Fiquei muito mal, pois só quem passa por uma cena de preconceito sabe a dor. Mas depois entrei com processo para que ela não faça isso com outras pessoas. Sou negra e tenho muito orgulho da minha pele", relatou.

Também é comum elas ouvirem referências como "cabelo duro, grulí, pixaim, bombril, palha de aço, bombril, buxa, juba, capacete e ruim".

O grupo participa de eventos, oficinas, encontros, palestras e além de dar depoimentos, discute sobre a inclusão do negro nas universidades e cargos públicos com o advento da Lei de Cotas raciais, acesso à saúde, marginalização generalizada do negro, crime de racismo e injúria racial, discriminação étnico-racial, história e evolução econômica e sociocultural da população negra no Brasil, direitos indígenas e quilombolas.

Segundo Marta Miranda, bacharel em Direito e integrante do grupo, é importante ressaltar a consciência negra a todo momento e neste mês de novembro o grupo deixará uma reflexão sobre a evolução histórica do povo negro no Brasil e, principalmente, em Araguaína.

“Unidos lutamos para resistir a estereótipos pré-estabelecidos, que por sua vez atingem de maneira negativa homens e mulheres de pele negra, além de destacar a importância do homem e mulher negra como sujeito ativo de mudanças sociais. O cabelo é uma extensão do corpo e para muitas pessoas negras, é um grande problema. Com isso queremos demonstrar que o cabelo crespo ou cacheado tem seu valor e é um ícone identitário do corpo negro”, afirmou.

O Grupo está aberto a convites para participação em eventos com depoimentos e apresentação de trabalhos acadêmicos, bem como para realização de oficinas. Interessados devem entrar em contato (63) 99221-4024.

Quem faz parte do grupo

A União das crespas e cacheadas existe desde 2016 e atualmente é composta por mais de 80 membros, sendo homens e mulheres, em sua maioria universitários, estudantes do Instituto Federal do Tocantins (IFTO), bacharéis, licenciados, doutores, doutorandos, mestres e mestrandos com formação acadêmica na Universidade Federal Tocantins (UFT) e integrantes de faculdades particulares.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.