Gestão de Marcelo Miranda dívida superior a R$ 1 bilhão e 376 milhões em todas as áreas do governo

Redação AF - |
Foto: Lia Mara
O secretário da Fazenda, Sandro Henrique, explicou que a dívida, até o momento, é de cerca de R$ 1,376 bilhão, mas pode ser ainda maior, já que a equipe de governo ainda não conseguiu levantar todas as informações

A gestão do ex-governador cassado Marcelo Miranda deixou dívidas que já ultrapassam R$ 1,376 bilhão, que foram herdadas pelo governador interino Mauro Carlesse (PHS). O levantamento foi apresentado à imprensa nesta segunda-feira (7) pelo secretário de Estado da Fazenda, Sandro Henrique Armando.

De acordo com o secretário, esse levantamento é preliminar e pode chegar a um montante ainda maior. Uma das maiores dívidas, no valor de R$ 351.786.355,25, diz respeito ao desconto em folha dos servidores e não repassado ao Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Tocantins (Igeprev), incluindo as contribuições dos servidores e a patronal.

O mesmo caso ocorre com Plano de Saúde dos Servidores Públicos do Estado (Plansaúde), onde deixaram de ser repassados R$ 161.737.269,46.

Já a dívida com fornecedores e prestadores de serviços internos e externos é de R$ 344.850.827,99.

Sandro Henrique também apontou uma dívida que corresponde a R$ 182.945.947,01 com instituições financeiras. “Essa dívida diz respeito a empréstimos consignados realizados em folha, descontado do servidor, mas não repassado às instituições financeiras, gerando problemas para o Estado e para os próprios servidores, que ficam na situação de inadimplência”, explicou.

Na área da Saúde, as dívidas chegam a R$ 138.691.858,90, montante que inclui despesas com a aquisição de medicamentos, materiais hospitalares e de consumo, equipamentos, prestação de serviços e outros.

Já a Agência Tocantinense de Saneamento (ATS) conta com uma dívida de quase R$ 60 milhões com empresas prestadoras de serviços, inclusive com caminhões pipas. “Essa situação coloca em risco a prestação de serviço à população em mais de 70 municípios tocantinenses”, salientou.

O governo anterior também atrasou o repasse do duodécimo ao Tribunal de Justiça (TJ), Tribunal de Contas do Estado do Tocantins (TCE), Assembleia Legislativa (AL), Defensoria Pública e Ministério Público Estadual (MPE), cuja dívida chega a R$ 136 milhões.

O valor da dívida até o momento é de cerca de R$ 1,376 bilhão, mas pode ser ainda maior, já que a equipe de governo ainda não conseguiu levantar todas as informações. Disse ainda que esses valores não levam em consideração os direitos dos servidores públicos que ainda estão pendentes.

Comentários pelo Facebook: