Vicentinho nega ter atrasado salário de servidores na sua gestão em Porto Nacional

Redação AF - |
Foto: Divulgação
Vicentinho Alves (PR)

Muitas informações já circularam nas redes sociais afirmando que o candidato a governador Vicentinho Alves (PR) teria atrasado por seis meses o salário dos servidores na época em que foi prefeito de Porto Nacional, além de supostamente ter sido condenado pelo TCU a devolver dois milhões à saúde por irregularidades.

Porém, o candidato afirmou que suas gestões “sempre foram aprovadas” pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), tanto como prefeito de Porto Nacional, entre 1989 e 1992, como presidente da Assembleia Legislativa, entre 2003 e 2004.

Vicentinho disse que “se destacou” como prefeito não apenas por “não atrasar salários dos servidores” ou por “ações fundamentais” para o município, como a regularização dos setores Vila Nova, São Vicente, Alto da Colina e Garcia, mas também pelo “rígido controle das finanças públicas”, o que levou, segundo ele, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) e a Câmara Municipal a aprovarem seus balancetes e o balanço geral relativos ao período.

O candidato disse que na Assembleia Legislativa, como presidente, teve também as contas anuais aprovadas pelo Tribunal.

Em 2015, Vicentinho assumiu a 1ª Secretaria do Senado e disse que promoveu medidas efetivas de contenção de gastos e corte de privilégios que levaram a uma redução de R$ 795 milhões no seu orçamento. Segundo ele, o aumento do controle na política de compras da Casa foi uma das medidas aplaudidas pelo próprio Tribunal de Contas da União (TCU).

Comentários pelo Facebook: