Direto ao Ponto Direto ao Ponto

Arnaldo Filho

redacao@afnoticias.com.br

Política

Cestas básicas: Wanderlei diz que dinheiro era consórcio entre amigos: 'o delegado foi muito infeliz'

Processo que investiga o caso foi remetido ao STJ por citar o governador.

Por Arnaldo Filho 1.898
Comentários (0)

15/09/2023 10h38 - Atualizado há 8 meses
Gravação do discurso do governador está circulando nas redes sociais

A oposição do Palácio Araguaia está pegando carona em um discurso do governador Wanderlei Barbosa (Repu) para jogar lenha na fogueira das supostas fraudes na compra de cestas básicas ainda durante a pandemia. O fogo reacendeu recentemente depois que a Polícia Civil enviou o inquérito ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) em razão de o nome do governador ter aparecido no meio da investigação.

O discurso foi feito durante a reunião do PPA em Pedro Afonso, na semana passada.

O inquérito investiga um suposto esquema de corrupção na compra de cestas básicas pela Secretaria do Trabalho e Assistência Social (Setas), ainda durante a pandemia, quando Wanderlei exercia o cargo de vice-governador e teria recebido uma transferência de R$ 5 mil feita pelo empresário investigado no caso.

Segundo o governador, o depósito não trata-se de propina, mas sim de um “consórcio entre amigos”.

“Eu vi o processo que eles quebraram o segredo de justiça. Quando nós fomos olhar, R$ 5 mil depositado na minha conta e na do Leo, meu filho, foi depositado também na conta do Cleiton Cardoso, da mulher de Cleiton, de Jair Farias, porque era um consórcio entre amigos que nós tínhamos, e dentro desse consórcio entre amigos, tinha um rapaz que era empresário e que vendeu cestas básicas para a Setas e estava sendo investigado, e que ele participou porque alguém colocou o nome dele”, diz o governador em tom áspero.

O governador continua com a explicação: “...Eles queriam sugerir que aquilo ali era uma propina, porque não tinha nada para falar de nós, então tem que caçar alguma coisa, (caçar alguma coisa) e aí o delegado foi muito infeliz, porque ele tinha que ter botado, pelo menos, todos que estavam no grupo, todos! O delegado foi, no mínimo, negligente, quando ele colocou apenas o meu nome e o nome do meu filho, porque ele queria atingir o governo, atingir a minha família. Ele deixou ali outros nove integrantes desse grupo que ele não colocou...”

STJ

O inquérito que investiga a suposta corrupção na compra de cestas básicas foi remetido ao STJ no final de agosto, após despacho do desembargador do TJ-TO, Pedro Nelson Miranda Coutinho, exatamente em razão do surgimento do nome do governador, que goza de foro privilegiado.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.