Direto ao Ponto

Arnaldo Filho

redacao@afnoticias.com.br

TRÉPLICA

Deputado não recua sobre procuradores e orienta Wanderlei a ter cuidado com alguns assessores

Parlamentar também criticou a nota da Aproeto: 'agiram com inverdade'.

Por Eduardo Azevedo 2.134
Comentários (0)

14/12/2023 08h34 - Atualizado há 4 meses
Nilton mostrou descontentamento, principalmente com o PGE Kledson de Moura Lima

O deputado estadual Nilton Franco (REP) reafirmou sua insatisfação com a conduta de alguns Procuradores do Estado em relação ao debate sobre a PEC da Reforma da Previdência e implementação do subteto salarial único dos servidores. Em entrevista ao AF Notícias nesta quarta-feira (13), ele também criticou uma nota de repúdio divulgada pela Associação dos Procuradores do Estado (Aproeto) e disse que a instituição falou inverdades. 

"Quando eu falo dos Procuradores, nós tivemos uma reunião e o que os procuradores falaram na reunião foi inverdade [o procurador-geral participou]. A questão da PEC do teto, ela não é inconstitucional. Todos os estados aprovaram isso. Por que só o Tocantins é inconstitucional? Só no nosso estado. Entendeu?".

Nilton enfatizou que alguns Procuradores distorceram o tema principal, adentrando em outras matérias, e reforçou uma possível falta de veracidade nas alegações. Ele criticou também a nota de repúdio da Aproeto. "Eu falei que eles agiram com inverdade e continuam agindo com inverdade. Na nota de repúdio também, agiram com inverdade. Eles distorceram o tema principal e entraram em outras matérias”.

O parlamentar argumentou que houve distorções nas informações relacionadas à inconstitucionalidade da PEC do teto e ao seu impacto financeiro. "Estamos discutindo aqui a inconstitucionalidade. É um ato inverídico, por isso que eu falei que eles estavam mentindo, e falei também na questão dos R$ 600 milhões de impacto que não existe, não dá nem R$ 100 milhões, dá 70 e poucos milhões. Aí eles plantam que é um impacto de R$ 600 milhões, e é inverdade, por isso que eu falei que eles estavam mentindo", reforçou o deputado, que também é Presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ).

Ao ser questionado se manteria sua posição firme, como a proferida no discurso do último dia 11, Nilton afirmou que sim. "Minha posição [em relação aos] Procuradores é a mesma, não muda não, eles não mudaram. Eles estão plantando uma coisa para o governador que não existe. Agora cabe ao governador separar o que é verdade e o que não é".

O deputado expressou preocupação com questões previdenciárias e reforçou a importância de equilibrar os interesses do Governo e dos servidores públicos na PEC da Reforma da Previdência. "Estamos tentando amenizar e fazer justiça. Para que todos saiam bem nessa situação. Hoje nós temos que ter uma preocupação com o IGEPREV, que está quebrado, porque amanhã os servidores têm que pensar também. Como é que eles vão receber as suas aposentadorias no futuro, na velhice, com o IGEPREV quebrado?".

Cuidado, Governador!

Nilton finalizou a entrevista destacando a importância de um cuidado especial por parte do governador em relação a alguns dos seus assessores mais próximos. Questionado se poderia citar nomes, o parlamentar foi direto. "São os que estão mais próximos, os procuradores que estiveram na reunião nossa, eu não sei nem o nome de todos, só sei do Procurador-Geral do Estado Kledson de Moura Lima. Então tem que ter só cuidado, cuidado mesmo, pois o Estado é nosso, o Estado é composto por todos nós que nascemos e nos criamos aqui.”

O deputado concluiu a entrevista reforçando sua condição de funcionário público [auditor fiscal da Receita Estadual]. "Hoje estou deputado, mas amanhã posso não estar mais. Agora eu vou morrer como funcionário público", concluiu.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.