Denúncia

Advogada diz ter sido humilhada no Procon de Araguaína; diretor fala em mal-entendido

"Isso é o que a gente passa, é humilhação", desabafou.

Por Conteúdo AF Notícias 5.640
Comentários (0)

26/11/2020 15h30 - Atualizado há 2 meses
Advogada Andressa Caetano

A advogada Andressa Caetano disse que foi maltratada e humilhada dentro do Procon de Araguaína pelo próprio diretor do órgão, na manhã desta quinta-feira (26). A profissional estava representando um cliente para intermediar a solução de um conflito relacionado ao direito do consumidor.

Visivelmente abalada e até chorando, a advogada gravou um vídeo na frente do órgão relatando a situação vexatória. Andressa Caetano conta que, durante o atendimento, precisou fazer uma pequena alteração em um documento e a servidora do cartório disponibilizou espontaneamente o computador do órgão a fim de agilizar a solução do problema.

“Fui usar o computador para fazer essa alteração e resolver [o problema] de forma mais rápida do que eu voltar lá no meu escritório e retornar depois”, conta a advogada.

Contudo, o diretor do Procon, o ex-vereador Manoel Messias, o Mané Mudança, percebeu que a advogada estava usando o computador e teria pedido que ela saísse da sala, pois seria um ambiente de acesso restrito aos servidores.

"Tentei explicar, mas ele não me deixava falar, dizendo que a gente não tinha direito de entrar lá, que não é por ser advogado que tem direito de ficar entrando lá. Fui explicar pra ele sobre a legislação, o Estatuto da OAB, que assegura ao advogado o livre acesso a cartórios, delegacias... Lógico que ninguém vai invadir, mas a gente tem essa prerrogativa e ele simplesmente falou que não tinha", relata Andressa Caetano.

Segundo a advogada, esses episódios de humilhação são frequentes no exercício da atividade profissional. “Isso é o que a gente passa, é humilhação. Não só aqui, já fui destratada em outros lugares. Não estou falando dos servidores do Procon, eles são ótimos, são pessoas que atendem a gente super bem”, finaliza a advogada.     

O OUTRO LADO

Procurado para comentar a denúncia, o diretor do Procon, Mané Mudança, disse que ocorreu apenas um "mal-entendido", embora tenha ressaltado que não é permitida a presença de terceiros na sala do cartório.

"Tinha vários processos em cima da mesa e chamei o nosso colaborador para recolher esses processos. Foi um mal-entendido. O esposo da advogada entendeu que eu estivesse reclamando e já foi falar comigo, achou que a gente tinha destratado. Os advogados têm todo acesso aqui, não fazemos restrição de tamanho nenhum. Até mesmo quando o Procon estava fechado por conta da pandemia, a ordem era atender todos os advogados que chegassem aqui. Houve um mal-entendido. Não tem nada de constrangimento e nem humilhação, até porque muitos dos colaboradores aqui são todos advogados”, explicou o diretor.

Por fim, Mané Mudança afirmou que não age de forma alguma para dificultar o trabalho dos advogados. "Se eles se sentiram ofendidos, até peço desculpas em nome do Procon", finalizou.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.