Norte do Estado

Em novo inquérito, MPE mira responsáveis por lixo enterrado na fazenda da família Olinto

O lixo foi encontrado enterrado na Fazenda Caeté, localizada no Município de Wanderlândia.

Por Agnaldo Araujo 805
Comentários (0)

30/01/2019 09h05 - Atualizado há 5 anos
Lixo enterrado na fazenda

O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou um novo inquérito para identificar os responsáveis pelo lixo hospitalar que estava enterrado na Fazenda Caeté, localizada no Município de Wanderlândia, norte do Estado.

O lixo foi encontrado no dia 24 de novembro de 2018 em operação da Polícia Civil. Uma retroescavadeira foi usada para desenterrar todo o material. Havia frascos de remédios, ampolas, seringas, agulhas e muitas sacolas com materiais cirúrgicos.

Conforme o MPE, a fazenda pertence à empresa Pronorte Empreendimentos Rurais, que tem como sócio-administrador o ex-juiz eleitoral e advogado Luiz Olinto Rotoli Garcia de Oliveira, pai do deputado estadual Olyntho Neto (PSDB).

A fazenda também está ligada à empresa Luan Participações, que também tem no quadro de sócios-administradores o deputado Olyntho Neto e seu irmão, Luiz Olinto Rotoli Garcia de Oliveira.

O inquérito foi instaurado no dia 25 de janeiro pelo promotor de justiça Paulo Alexandre Rodrigues de Siqueira. O órgão requisitou no prazo de 10 dias uma vistoria técnico-ambiental a ser realizada pelo Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente (Caoma), do MPE.

Ao Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) e Município de Wanderlândia foram solicitadas cópias do auto de infração ambiental e das medidas adotadas para o plano de recuperação ambiental.

Indiciados

Na segunda-feira (28), a Polícia Civil concluiu o inquérito sobre o escândalo do lixo hospitalar armazenado ilegalmente em um galpão do Distrito Agroindustrial de Araguaína (Daiara) e encaminhou o relatório ao Ministério Público Estadual.

Foram indiciados João Olinto Garcia e seus filhos Luiz Olinto e Rodolfo Olinto Rotoli Garcia de Oliveira, além de funcionários e quatro empresas. O deputado Olyntho Neto deve ser alvo de outro inquérito por ter foro privilegiado.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.