Em Araguaína

MPE quer interdição do Estádio Mirandão devido a condições precárias

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

22/11/2016 09h59 - Atualizado há 3 anos
Em virtude das condições precárias de segurança no estádio Mirandão, em Araguaína (TO), o Ministério Público Estadual (MPE), por meio da 5ª Promotoria de Justiça de Araguaína, expediu na última quinta-feira (17/11), recomendação ao Governo do Estado para que interdite, imediatamente, o núcleo esportivo. O documento é baseado no relatório de vistoria realizado pelo Corpo de Bombeiros, o qual apontou uma série de irregularidades que colocam em risco a integridade física dos frequentadores. O Estádio Leôncio de Souza Miranda, conhecido como “Mirandão”, foi inaugurado em 2009. A Promotora de Justiça, Araína Cesárea Ferreira dos Santos D'Alessandro, reforçou que apesar de o relatório técnico ter sido elaborado ainda no mês de julho, com repercussão do assunto na imprensa, a Secretaria Estadual da Educação, Juventude e Esporte (Seduc), responsável pela gestão das instalações, não tomou nenhuma medida para solucionar os problemas apontados. De acordo com o relatório técnico do Corpo de Bombeiros, o Estádio Mirandão oferece risco quanto às condições de segurança, principalmente aquelas relacionadas aos riscos de incêndio. A vistoria detectou irregularidades no sistema de hidrantes, extintores, alarmes de incêndio, ausência de brigada de incêndio, além de problemas nas saídas de emergência, acessos e escadas. O documento cita também a inexistência de novos projetos de Prevenção de Incêndio e Pânico, relacionados à ampliação de edificação embaixo das arquibancadas, sendo estes exigências para o funcionamento. Além do relatório do Corpo de Bombeiros, a própria Seduc empreendeu um levantamento com a finalidade de elaborar projeto arquitetônico de reforma e atualização do projeto e também pode comprovar a situação de risco do estádio. Os engenheiros são enfáticos no levantamento e apontam ainda infiltrações, paredes rachadas, alambrados em péssimas condições, degraus de escadas deteriorados, banheiros danificados, portões estragados, entre outros problemas. Recomendações Além da interdição, a recomendação orienta que não seja realizado nenhum evento até que sejam tomadas as medidas necessárias. A Secretaria terá o prazo de 30 dias para corrigir as irregularidades, sob pena de responder judicialmente pela omissão. (Ascom - MPE).

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2022 AF Notícias. Todos os direitos reservados.