Servidora fantasma

Polícia Civil e Interpol descobrem enfermeira do HRA cursando medicina no Paraguai

Segundo a polícia, Alcyany Chaves de Melo Feitosa era enfermeira concursada, lotada no Hospital Regional de Araguaína.

Por Redação 7.993
Comentários (0)

06/12/2018 17h25 - Atualizado há 3 dias
Alcyany Chaves de Melo Feitosa

Investigação da Polícia Civil de Araguaína e da Interpol, polícia internacional, encontrou uma servidora pública do Estado do Tocantins cursando medicina na Ciudad del Este, no Paraguai.

Segundo as investigações, Alcyany Chaves de Melo Feitosa é enfermeira concursada e estava lotada no Hospital Regional de Araguaína (HRA). No entanto, ela foi cedida em julho de 2017 à Secretaria de Articulação Política, com lotação em Palmas.

A investigação aponta que em vez de trabalhar na capital, a enfermeira era servidora 'fantasma' e recebia cerca de R$ 4 mil mensais.

Outra operação da Polícia Civil de Araguaína também investiga outra possível servidora fantasma do Governo. O alvo é a empresária Kátia Borba Neves, proprietária do hotel de luxo na cidade.

O Portal da Transparência mostra que ela é farmacêutica concursada desde agosto de 1994 e tirou licença para interesses particulares, sem remuneração, a partir de 11 de agosto deste ano.

Sobre a investigação que mira Alcyany Chaves, o delegado José Anchieta, da Delegacia Especializada em Investigações Criminais (Deic-Norte), afirmou que ela recebia sem trabalhar antes mesmo de se mudar para o Paraguai.

Na verdade, ela já estava recebendo sem trabalhar, mas ela foi cursar medicina na Universidade Internacional Três Fronteiras, na Ciudad Del Este, e continou a receber seus proventos sem exercer nenhuma função. A partir de meados de 2017, ela já não trabalha nem aqui [em Araguaína] e nem em Palmas”, disse.

Conforme o delegado, frequências e notas escolares comprovam que ela está cursando medicina na cidade paraguaia.

Tivemos uma colaboração da Interpol, conseguiu as frequências e notas comprovando que ela está regularmente matriculada na universidade no Paraguai, frequentando as aulas normalmente e sendo aprova nas disciplinas. E era algo que ela ostentava nas redes sociais. Ela postava imagens na faculdade. Não era algo que havia uma preocupação em se esconder”, disse o delegado.

Ainda segundo a polícia, Alcyany Chaves continua recebendo normalmente e os pagamentos são comprovados por meio do Portal da Transparência.

As investigações continuam, as informações serão encaminhadas à Justiça e ao Estado. "É esperado que a Corregedoria tome as providências de abrir procedimentos administrativos disciplinar de exclusão”, finalizou Anchieta.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa e o espaço continua aberto.

(Com informações do Araguaína Notícias)

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.