Arapoema

Mais um secretário de Saúde acumula cargos ilegalmente no Tocantins; 3º caso este ano

Em Arapoema, Marcos Bonifácio é secretário e auxiliar de enfermagem.

Por Conteúdo AF Notícias 2.499
Comentários (0)

23/04/2021 11h00 - Atualizado há 6 meses
Cidade de Arapoema

O atual secretário de Saúde de Arapoema, Marcos Bonifácio Pinto, está acumulando dois cargos públicos de forma indevida, segundo denúncia feita por moradores da cidade ao AF Notícias.

Após a denúncia, a reportagem constatou que o secretário é servidor efetivo do Estado no cargo de auxiliar de enfermagem com lotação no Hospital e Maternidade Irmã Rita de Arapoema.

Ele recebe R$ 3,5 mil como secretário e R$ 5.134,47 como auxiliar de enfermagem. 

Situações semelhantes ocorriam em Guaraí e Miracema, mas os titulares das pastas pediram exoneração após os casos ganharem repercussão e serem denunciados ao Ministério Público do Tocantins (MPTO).

Em Miracema, o MPTO instaurou inquérito para investigar o agora ex-secretário de Saúde Jonair Oliveira de Souza.

A promotora Sterlane de Castro Ferreira afirmou no documento que, conforme prevê o artigo 28, parágrafos 1º e 2º, da Lei nº 8.080/90, não é possível o acúmulo do cargo de secretário municipal de Saúde com nenhuma outra função. Isso por que o cargo de secretário destina-se ao exercício da função de chefia, direção ou assessoramento, que exige dedicação exclusiva.

A promotora cita, inclusive, que o entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) é no sentido de que não é possível o exercício de qualquer outra atividade concomitantemente com o cargo de secretário municipal de Saúde.

Para a promotora Sterlane de Castro, a situação de Jonair Oliveira poderia caracterizar, em tese, ato de improbidade administrativa decorrente de enriquecimento ilícito.

Mesmo exonerados, os ex-secretários podem ter que devolver os salários recebidos indevidamente no período em que acumularam os cargos, além de serem processados por improbidade. 

O OUTRO LADO

A Prefeitura Municipal de Arapoema informou que a acumulação de cargos não é ilegal, haja vista previsão na Constituição Federal em seu art. 37, XVI e com base na Orientação Normativa nº. CNU/CGU/AGU nº 005/2017, de 29 de março de 2017, a qual prevê que a compatibilidade de horários a que se refere o art. 37, inciso XVI, da Constituição de 1988 deve ser analisada caso a caso pela Administração Pública, sendo admissível, em caráter excepcional, a acumulação de cargos ou empregos públicos que resulte em carga horária superior a 60 horas semanais quando devidamente comprovada e atestada pelos órgãos e entidades públicos envolvidos.

Em nota, disse que o Município desde de 2018 não possui qualquer Termo de Convênio junto à  Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins para cessão de servidores, contudo, o ex-secretário tomou conhecimento da inexistência de qualquer Convênio entre as duas esferas de governança pública, resolveu pedir exoneração do cargo, para que sejam dirimidas quaisquer dúvidas que houver sobre a situação, de um suposto acúmulo ilegal de cargos.

"O Senhor Marcos Bonifácio Pinto aguardava a cessão dos Servidores Públicos do Estado em favor do Município de Arapoema/TO, mas se desligou das atividades e entregou a pasta ao Executivo Municipal, no intuito de não provocar nenhuma situação danosa ao Município de Arapoema. A Prefeitura Municipal de Arapoema, agradece o empenho e dedicação do Senhor Marcos Bonifácio Pinto a frente da Secretaria Municipal de Saúde de Arapoema/TO e desejou sorte em sua caminhada".

.

VEJA TAMBÉM

Remuneração de Marcos Bonifácio como secretário
Remuneração de Marcos Bonifácio como auxiliar de enfermagem

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.